SNS firme e resiliente como a oliveira

SNS firme e resiliente como a oliveira

Na evocativa e simbólica homenagem ao Serviço Nacional de Saúde, a ‘oliveira SNS’ plantada em 2009 no Parque Verde do Mondego, em Coimbra, voltou ser protagonista do 42º aniversário do SNS e do  tributo aos mentores e obreiros do SNS. A  iniciativa da Liga dos Amigos dos Hospitais da Universidade de Coimbra e do Conselho Regional do Centro da Ordem dos Médicos (entidade que se associa a esta cerimónia desde 2014), juntou quase uma centena de pessoas no Pavilhão Centro de Portugal, local onde decorreram as intervenções devido à instabilidade meteorológica neste dia 15 de setembro.

Inês Mesquita, vogal do Conselho Regional do Centro da Ordem dos Médicos, em representação do presidente deste órgão, Carlos Cortes,  destacou desde logo a importância do SNS neste ano especialmente complexo e difícil. “A SRCOM fica muito feliz e ter acompanhado o nosso SNS que se revelou tal e qual a oliveira que ali está fora. Um SNS resiliente, um SNS enraizado, que abanou com algumas tempestades (esta pandemia foi um furacão a sério) mas manteve-se firme não só pelos seus profissionais mas, certamente, porque os doentes também foram compreensivos”.

Nas palavras da médica anestesiologista, “esta pandemia trouxe a verdade sobre o SNS: trouxe as dificuldades que vive, trouxe as suas características, trouxe também algo bonito, as suas oportunidades, revelou onde podemos melhorar e, sem dúvida, a SRCOM acompanhou aquilo que o SNS conseguiu fazer”. Em seu entender e face ao contexto desafiante, “o SNS cresceu em comunicação, cresceu em ‘sair fora de portas’, o SNS cresceu tal e qual os ramos da oliveira”. E, já no final da sua intervenção, Inês Mesquita assumiu: “Crescemos todos em humildade e na convicção de que todos temos falhas. Esta pandemia trouxe-nos oportunidades de crescimento e mostrou-nos que o SNS abana mas não cai e que quem lá estão não desiste (…)”. Inês Mesquita deu ainda conta de que todos podem contar com a Secção Regional do Centro para que a esperança seja denominador comum no desenvolvimento do Serviço Nacional de Saúde e que “a oliveira firme seja o símbolo do que deve ser o propósito do SNS sempre e único: o doente”.

Isabel Garcia, presidente da LAHUC, que conduziu esta cerimónia evocativa, assumiu que para além das oliveiras já existentes no país (ver listagem em baixo), pretende-se alargar a iniciativa a todos os municípios (continente e ilhas). Está presente em 15 localidades. Tudo para que o símbolo perdure no tempo, tal como o SNS.

Já antes o médico Armando Gonsalves, que também esteve na génese desta iniciativa enquanto presidente da Liga dos Amigos do Hospital dos Covões, lembrar do rácio de um hospital central para 800 mil habitantes, modelo que é seguido noutros países, fazendo votos para que o Governo cumpra a promessa de construir mais uma unidade na região Centro, em Viseu.

Em seguida, Regina Bento, vereadora da Saúde da Câmara Municipal de Coimbra, em representação do presidente da CMC, destacou o papel dos municípios no setor da Saúde e deixou a promessa de que Coimbra terá nova maternidade e que será feita a requalificação do Hospital dos Covões. Por seu turno, o neto de um dos fundadores do SNS – António Miguel Arnaut, advogado tal como o seu pai e avô –  entre várias reflexões deu nota do que é a seu ver um dos problemas do SNS, apenas um quarto dos médicos trabalha em exclusividade.

Ainda antes do início desta cerimónia, o Secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Lacerda Sales, afirmou aos jornalistas que “uma das grandes conquistas do SNS foi o maior reforço feito até hoje na área dos recursos humanos”. Já na cerimónia no interior do Pavilhão Centro de Portugal, o governante assinalou que estes 42 anos são fruto de “uma história coletiva” que se materializou “numa obra maior da Democracia portuguesa”. “São 42 anos de um sonho realizado mas de um projeto inacabado”, assumiu ainda. para si, confessou, “é uma enorme honra participar na continuidade do sonho de António Arnaut”. O secretário de Estado deixou três mensagens simples, de confiança, de compromisso e de esperança.

Nesta cerimónia estiveram presentes, a presidente da Administração Regional de Saúde do Centro, Rosa Reis Marques; Vice-presidente da LAHUC, Odete Isabel; Presidente da Assembleia Geral da LAHUC, Júlio Reis; em representação da Câmara Municipal da Lousã, Henriqueta Oliveira; em representação da Liga dos Pequenitos, Enfermeira Matilde Correia; em representação da Acreditar, Maria Patrocínio Matos Dias; Isabel Maria Garcia, em representação da Associação Nacional dos Deficientes Sinistrados no Trabalho; Federação Nacional do Voluntariado em Saúde, ali representada pela LAHUC.

Isabel de Carvalho Garcia destacou ainda a presença dos voluntários da LAHUC, Ana Paula Miguel e António Miguel, e da família do saudoso advogado e escritor, António Arnaut. Em apoio a este dia simbólico tão importante, tão emotivo, dia de luta, dia de esperança, a presidente da LAHUC destacou o apoio da Câmara Municipal de Coimbra e da SRCOM na realização desta cerimónia evocativa.

Por fim, o momento sempre pleno de emoção: a rega da oliveira SNS.

#A “Oliveira SNS

Símbolo de resistência e de esperança na vitalidade do Serviço Nacional de Saúde, essencial a todos nós, e à concretização do sonho de António Arnaut de “construir uma sociedade mais livre, justa e solidária”. Ao celebrar mais esta efeméride, esta também é uma forma de recordar um dos principais protagonistas da criação formal do SNS e que o defendeu sempre, de forma acérrima, quer na sua atividade cívica, política e literária. Este é, também, um momento de homenagem à memória de todos os intervenientes na defesa do SNS, e em especial aos seus criadores.

#Rega da oliveira SNS

A rega da oliveira do SNS conta com o apoio e a parceria da Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos, a partir das comemorações dos 35 anos do SNS. Foi em 2009 que a plantação e a rega da oliveira assinala a importante data, graças à iniciativa da Liga dos Amigos dos Hospitais da Universidade de Coimbra (LAHUC) em parceria com a extinta LAHC (Liga dos Amigos do Hospital dos Covões). Nessa data, assinalaram-se os 30 anos do SNS. Desde então, todos os anos, repete-se este ritual: a rega da oliveira por iniciativa da LAHUC. Desde 15 de setembro de 2009 e todos os anos, o Dr. António Arnaut fez questão de acompanhar o ritual da rega da oliveira, árvore símbolo da paz e da resistência que, tal como o criador do SNS ambicionava e lutava, assim também fosse o Serviço Nacional de Saúde. A última vez que o Dr. António Arnaut acompanhou esta rega simbólica foi a 15 de Setembro de 2017, fazendo-nos prometer que tudo faríamos para perpetuar este símbolo do Serviço Nacional de Saúde. Entretanto, a LAHUC encetou em 2019 (40 aniversário do SNS) um movimento cívico da plantação da “oliveira SNS” em todos os municípios (continente e ilhas) para que no dia 15 de Setembro, quiçá à mesma hora, se fizesse simbolicamente a rega de uma “Oliveira SNS”.  Devido à COVID-19, este projeto ficou suspenso, mas será retomado oportunamente.

# “Oliveira SNS” já plantadas: 

Coimbra15 de setembro de 2009, Parque Verde da Cidade, junto ao pavilhão de Portugal; Fafe5 de abril de 2019, no Parque da Cidade de Fafe; Viseu16 de maio de 2019, Centro Hospitalar de Tondela-Viseu; Penela21 de maio de 2019, Parque das Águas Romanas, em frente ao Centro de Saúde; Tocha21 de maio de 2019, Hospital Rovisco Pais; Pampilhosa de Serra21 de maio de 2019, Centro de Saúde; Miranda do Corvodia 1 de junho de 2019, dia do município, no Jardim da Casa das Artes; Ansião, Praça do Município, 10 de agosto de 2019; Lousã,  13 de setembro de 2019; Celorico da Beira, 15 de setembro de 2019; Loulé, 15 de Setembro de 2019; Vila Nova de Poiares, 16 de setembro de 2019; Arganil, 22 de setembro de 2019; Portimão, 23 de setembro de 201; Ovar, 24 de junho 2020 – Liga dos Amigos do Hospital de Ovar plantou a Oliveira do SNS no espaço interior do Hospital de Ovar.

Partilhe nas redes:

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Ordem dos Médicos