Ordem dos Médicos do Centro organiza sessão solidária com Moçambique

Ordem dos Médicos do Centro organiza sessão solidária com Moçambique

Encontro de várias gerações e de muitas memórias em torno de uma causa comum: apoio às vítimas dos ciclones em Moçambique. Foi este o mote da sessão solidária que incluiu o lançamento do livro «O professor Orlando e outros escritos», da autoria do médico e escritor José Carlos Telo de Morais, e da inauguração da exposição coletiva de artes plásticas no dia 13 de Junho, a partir das 18h30, na sala Miguel Torga da Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos.
A vice-presidente da Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos, Inês Rosendo, fez questão de evidenciar alguns das principais notas curriculares do médico radiologista Telo de Morais, com um percurso notável nas ciências médicas, no ensino médico e também nas artes. Ao doar a sua coleção ao município de Coimbra é possível visitar as peças no Museu do Chiado, na baixa da cidade, recordou Inês Rosendo. "Foi lançado o apelo a juntarem-se a esta causa humanitária e ficámos orgulhosos do que conseguimos", acentuou, deixando o agradecimento a todos em nome da Ordem dos Médicos.

 

O evento, que decorreu no dia 13 de Junho, a partir das 18h30, na sala Miguel Torga da Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos, contou também com a intervenção do Professor Doutor Henrique Vilaça Ramos (catedrático jubilado da Universidade de Coimbra). Deixando a nota de que não deveria ter "aquiescido" a missão de comentar esta obra acabaria por justificar, porém, que "um pedido do Dr. Teles de Morais é um pedido irrevogável", afirmou, em seguida, que "o Dr. Teles de Morais é um homem de múltiplos talentos. Beirão da melhor cepa, dedicou-se em Coimbra à radiologia e em especial à radiologia torácica, onde alcançou renome nacional e internacional. Coimbra deve-lhe, e à sua mulher Drª Maria Emília, companheira de toda a vida, a doação de uma excelente coleção de pintura".
Sobre a escrita, lembrou que o autor de livro «O professor Orlando e outros escritos», não é um principiante nesta arte, que ganhou, aliás, novo alento após a aposentação. "Este novo livro, saído da sua mão no outono da vida, recolhe experiências que viveu ou conheceu de perto nos longos anos que já vai contando", acentuou do Professor Doutor Henrique Vilaça Ramos. O autor, lembra, "teve o cuidado de alterar ou ocultar os nomes dos intervenientes, sempre que a sua revelação pudesse ser desconfortável para eles ou para os seus familiares". Escrita que, acrescenta entre muitas outras reflexões, "reflete o seu pendor pictoral" do escritor.

Esta sessão, com elevada participação, contou também com a intervenção do Doutor Luiz Canavarro Morais. (médico, pintor e escritor) que, desde logo, invocou a paleta da amizade para se dirigir ao autor desta obra benemérita. Referindo-se ao texto, Luiz Canavarro assume que "é um conjunto de memórias, histórias verídicas e anedóticas, singulares e tratadas pelo prisma do humanismo e de uma tolerância exemplares".
O autor agradeceu a todos e lembrou que os seus 90 anos lhe permitem ter mais tempo para a escrita, e para os textos sobre pintura e também sobre o seu colega e amigo que assinava com o pseudónimo de Miguel Torga. Nesta obra, que com pudor assumiu ser "um livrinho", lembrou que mudou o nome aos personagens das histórias verídicas e agradeceu o entusiasmo do editor na impressão deste livro cuja receita reverterá integralmente para uma causa solidária.
O autor do livro, editado pela Mar da Palavra – Edições, Ldª., e a Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos associam-se no apoio às vítimas do ciclone Idai, na região da Beira, Moçambique. O editor, Vitalino José Santos, asseverou que sente uma enorme admiração pelo médico, pela pessoa, pelo pintor, pelo escritor. "É uma pessoa completa e os seus 90 anos representam um corolário de satisfação, uma riqueza de vida, é uma honra estar aqui a representar a minha editora", assumiu Vitalino José Santos. "Que esta atitude que partiu do Dr. Telo de Morais, de ser solidário com o povo de Moçambique, cujo povo já era tão vitimizado pela pobreza, ainda teve dois ciclones seguidos que vieram agravar a situação". Vitalino José Santos contou ainda que o antigo Presidente de Moçambique, Joaquim Chissano, que esteve em Coimbra a convite do vice-Reitor João Nuno Calvão da Silva, ao ter conhecimento deste gesto telefonou ao Dr. Telo de Morais agradecendo a sua ação solidária com o povo moçambicano.

Para além do lançamento do livro, foi ainda inaugurada uma exposição, na sala Miguel Torga e sala Carolina Beatriz Ângelo, com 28 obras doadas por vários artistas plásticos, a maioria dos quais médicos, que se associaram a esta causa humanitária. A mostra estará patente até ao final de julho.
Os artistas são: Alda Mendes, Helena Rodrigues, Isabel Saraiva, Isabel Simões, Leonor e José Correia, Luiz Canavarro, Maria de Lurdes Simões Rodrigues, Odete Silva, Poiares Baptista, e Tiago Simões. A todos, sem exceção, Inês Rosendo agradeceu de forma sentida.

Texto e Fotos  – Paula Carmo

«O PROFESSOR ORLANDO E OUTROS ESCRITOS», de Telo de Morais

# O Livro
(NOTA INTRODUTÓRIA e muito sumária)

O estatuto profissional do médico Telo de Morais não o enclausurou na ciência nem na técnica nem na arte da medicina. Felizmente!, pois todas as artes moldaram a sua complexa personalidade – seja, sobretudo, nas artes plásticas (de que é connaîsseur reconhecido e cultor) seja na literatura onde já afinou a sua vis lírica.
Dá-nos, agora, um conjunto de textos narrativos, e uma reflexão onde explana as humanais dúvidas que a todos inquietam num tempo em que o mezzo del camin vai ficando mais distante.
Atentando, apenas, nas estórias, verificamos que o criador literário (tal como qualquer criador, aliás) parte do real para transfigurar pessoas em personagens de tramas narrativas de onde ressuma um humanismo complacente que colhe no leitor o sorriso tolerante perante os episódios que a memória conservou na espuma dos dias: nessa espuma temporal, desaparece o passado, e a recordação é, assim, moldada em frases. Então, o real narrado é, tão-somente, uma imagem mental apurada.
Estes escritos sobre a memória patenteiam uma vontade de registar testemunhos de uma época muito úteis à história da sociedade. De facto, não havendo esse querer deixar memória, o locus não colherá mais que uma visão parcelar da história.
Numa linguagem limada e escorreita, estas narrativas curtas de Telo de Morais transportam-nos a uma mesa de amigos onde a memória é activada num ambiente onde emerge esse ócio ancestral e gregário de contar estórias que valem por aquilo que são: puro prazer de saborear a vida sem que se proceda a juízos farisaicos sobre semelhantes nossos, antes tornando-os cúmplices das nossas andanças pelo mundo.

Vasco Pereira da Costa
(escritor)

# AUTOR:

Telo de Morais (José Carlos de Carvalho Telo de Morais) nasce em Viseu e aí conclui o ensino secundário. Licencia-se na Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra, cidade onde se especializa e exerce Imagiologia, sendo chefe de serviço de Radiologia dos antigos HUC (Hospitais da Universidade de Coimbra).
Desde cedo, é atraído pelas artes plásticas, domínio que lhe possibilita constantes solicitações, através da escrita, da crítica e de múltiplas palestras e conferências.
Com uma colaboração vasta e dispersa, é autor dos livros de poesia «Estudo para Auto-Retrato» (1997) e «Enquanto o Tempo» (2000), além da sua inclusão na obra colectiva «Poezz» (2004). Um ano depois, vê igualmente publicado o livro de poesia «Paleta Inacabada», no qual – segundo prefacia Rocha de Sousa – «aborda, de um modo inusitado, aliás no prolongamento de outras obras que ligam a pintura e a poesia, muitos dos aspectos próprios do cruzamento das linguagens, ou dos seus pontos de analogia, misteriosos fios pelos quais várias disciplinas de índole artística se entrelaçam com maior ou menor complexidade, permitindo a descoberta de semelhanças na diferença de obras de referência […]».
Em Junho de 2016, Telo de Morais adapta um artigo que integra o trabalho colectivo «O Cérebro e o Espírito» (no contexto do colóquio realizado em Novembro de 1985, pela Associação dos Médicos Católicos Portugueses) e publica, no âmbito da editora Mar da Palavra, a obra ensaística «A Criação Artística Testemunha do Espírito».

FICHA TÉCNICA
Autor: Telo de Morais
Capa: Cabaz com maçãs Bravo de Esmolfe, pormenor de fotografia cedida pela Câmara Municipal de Penalva do Castelo.
Contracapa: Auto-retrato (desenho de Telo de Morais)
Editora: Mar da Palavra – Edições, L.da
N.º de páginas: 48
Formato: 14,7 x 21,0 cm
ISBN: 972-8910-81-5 (EAN: 978-972-8910-81-5)

 

 

 

 

Partilhe nas redes:

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Ordem dos Médicos