Leiria | Ordem dos Médicos e Administração do Centro Hospitalar criam grupo de trabalho

Leiria | Ordem dos Médicos e Administração do Centro Hospitalar criam grupo de trabalho

Uma longa mas profícua reunião de trabalho entre a Ordem dos Médicos e todos os membros do Conselho de Administração do Centro Hospitalar de Leiria resultou na criação de um grupo de trabalho entre as duas entidades por forma a "encontrar soluções para os problemas" do Hospital de Santo André, em Leiria.
Tem sido públicas e notórias, recorde-se, as intervenções da Ordem dos Médicos a fim de chamar a atenção para os graves problemas do serviço de urgência daquela unidade, de que resulta a falta de capacidade de resposta aos utentes.
No final desta importante reunião realizada a 7 de março de 2019, o presidente da Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos falou, em conferência de imprensa, sobre este encontro onde marcaram presença "todos os elementos do CA", incluindo o seu presidente que apresentara a demissão, a 28 de fevereiro ao Ministério da Saúde (decisão apenas conhecida publicamente a 4 de março).
"Foi uma reunião muito positiva. Por um lado, houve o reconhecimento dos problemas que o hospital está a atravessar. Houve também uma resenha histórica, não menos importante, sobre o grande desenvolvimento que este hospital teve nos últimos anos e a importância deste hospital nos cuidados de saúde prestados à população desta região, e acabou com um sinal – que considero extremamente positivo – de constituir um grupo de trabalho", declarou Carlos Cortes. A ideia é, explicou perante os jornalistas, "colaborarmos para encontrarmos soluções para os enormes problemas que este hospital está a atravessar", acrescentando que um dos principais problemas se prende com o Serviço de Urgência que urge melhorar
Carlos Cortes explicou que este grupo ainda não tem prazo definido para apresentar conclusões mas fez questão de destacar "o reconhecimento por parte do CA" que existem problemas que devem ser resolvidos. Porém, o presidente da SRCOM não descartou a responsabilidade do Ministério da Saúde nesta matéria. "Tem de apoiar o seu papel, que é apoiar o Hospital de Leiria", sublinhou.
Recorde-se que, no início do mês de fevereiro, a Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos denunciou que o serviço de urgência estava à beira da rutura, tendo-se registado, inclusivamente, casos de utentes que não são atendidos durante mais de 12 horas. Desde o início deste ano, já chegaram à Ordem dos Médicos do Centro mais de 200 declarações de responsabilidade em que os médicos denunciam, com detalhe, as situações de extrema gravidade. Perante estas extremas dificuldades, em que até o CODU desviara a resposta a casos graves de Medicina Interna para outras unidades hospitalares, Carlos Cortes exortou ao Ministério da Saúde a criação de melhores condições de resposta, lembrando que são necessários mais recursos humanos.

 

Partilhe nas redes:

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Ordem dos Médicos