Transplantação foi o tema da primeira sessão do triénio 2017-2019 sobre ‘História da Medicina’

Transplantação foi o tema da primeira sessão do triénio 2017-2019 sobre ‘História da Medicina’

A conferência do professor catedrático de Medicina, Alfredo Mota, marcou o início das sessões alusivas à História da Medicina da Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos, no mandato do triénio 2017-2019.
Na sessão de abertura desta conferência, Carlos Cortes anunciou aos colegas que doravante o Núcleo da História da Medicina da Ordem dos Médicos irá promover sessões em Coimbra, repto lançado por si, uma vez que a maioria dos eventos com 'chancela' deste núcleo se realizam habitualmente em Lisboa. "A História é importante para percebermos o presente e nos ajudar a guiar para o futuro", asseverou o médico patologista clínico. "Eu próprio, nas minhas intervenções atuais, vou à história para tentar perceber o que está a acontecer e, muitas vezes, até me inspiro na história para poder tomar algumas decisões".
Carlos Cortes aludiu ainda ao tributo que a Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos efetuou à primeira médica cirurgiã portuguesa Carolina Beatriz Ângelo e cuja exposição voltou a estar em destaque na Sala Miguel Torga, espaço onde decorreu precisamente esta conferência. "Tivemos aqui uma sessão alusiva à Igualdade de Género e decidimos reeditar esta exposição", explicitou o presidente da SRCOM. "Faz parte da nossa história cívica e da nossa história regional uma vez que Carolina Beatriz Ângelo nasceu na Guarda". Referindo-se ao autor desta conferência, Carlos Cortes sublinhou o facto de Alfredo Mota "também já faz parte da nossa história. Honrou a Medicina, honrou Coimbra e honrou Portugal com os avanços da Medicina portuguesa".
Alfredo Mota, agradeceu as palavras generosas do presidente da SRCOM que o deixaram sensibilizado e agradeceu a presença dos colegas, alguns dos quais ligados à transplantação. O professor Jubilado da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra e ex-diretor do Serviço de Urologia e Transplantação do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra fez pois uma viagem desde a mitologia e a religião até à atualidade. O milagre de substituição de órgãos é uma revolução na Medicina que teve especial enfoque no início do século XX e que, realçou o professor Alfredo Mota, "veio modificar a relação única entre médico e doente, através de um terceiro elemento: o dador". Tal como recordou o autor desta notável lição, foi o cirurgião Linhares Furtado que liderou a equipa que realizou a primeira transplantação renal de dador vivo (em 1969).

 

Texto e Fotos ©SRCOM / Paula Carmo 

Partilhe nas redes:

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Ordem dos Médicos