Circleuphoria: “A arte e a medicina têm convergências”

Circleuphoria: “A arte e a medicina têm convergências”

Marionetas, vários adereços teatrais, trinta fotografias e vídeos compõem a mostra que está patente no Clube Médico de Coimbra, até 13 de novembro. Na inauguração desta exposição, com chancela da associação teatral Circleuphoria, o presidente da Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos considerou que a "a arte e a medicina têm convergências, têm pontos de interseção. Hoje, mais uma vez, vemos isso: este grupo de teatro, que estreia a 'Crisophrenia' na próxima semana, apela à nossa participação e ao nosso olhar perante a sociedade". Carlos Cortes, reportando-se às marionetas – construídas de forma exímia e meticulosa por elementos do grupo – fez a analogia com a atualidade. "No meio de tudo aquilo que está a acontecer, da forma como estão a ser prestados os cuidados de saúde, também nos sentimos marionetas. Parece que há pessoas que decidem com uma grande frieza, sem a preocupação em saber aquilo que os outros pensam. Quem olha para nós pensa que não temos alma". Carlos Cortes apontou as suas críticas para a tutela: "Ao poder político pouco importa a opinião de quem está no terreno. Sentimo-nos um pouco como estas marionetas, sentimo-nos manipulados", disse. Antes de findar a sua intervenção, Carlos Cortes destacou o papel da cirurgiã Dulce Diogo na dinamização cultural do Clube Médico.
Nesta sessão de apresentação do grupo e da inauguração da exposição, também o cirurgião José Couceiro, um dos membros de "Circleuphoria", explica a importância destas atividades para quem exerce Medicina. "É uma forma, também, de exercermos uma medicina mais humanizada", notou. Ao apresentar a neófita companhia teatral de Coimbra constituída por "um grupo de amigos que gostam da vida e de sonhar, gente ligada à pintura, escultura, multimédia", José Couceiro revelou que é desde 2012 que nascem estes objetos "manufaturados pelo grupo". Explicou José Couceiro: "Demos o salto ao formalizar a associação teatral e a peça que vai estrear na Ordem dos Médicos resulta de um texto coletivo, reflete o passado e presente de vivências do nosso País". Nesta mostra, patente no Clube Médico, "estão aqui quatro projetos diferentes: uma peça, Crisophrenia, com um livro pop-up feito em cartão ao longo de oito meses; a porta e criada Maria, A Cantora Careca; o Barbeiro; Teatro de Papel". Disse o médico, à guisa de conclusão: "Todos nós estaríamos melhor se este País percebesse que a cultura é vital".
Com produção de Circleuphoria e o apoio da Ordem dos Médicos, "Crisophrenia" tem estreia marcada a 13 de novembro, sexta-feira, pelas 21h00, na Sala Miguel Torga da Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos.
Eis o novo grupo de teatro de Coimbra:
José Couceiro – cirurgião
Ana Bela Couceiro – ginecologista/obstetra
Paulo Travassos – professor
João Couceiro – estudante multimédia
Sérgio Cardoso – professor / músico
António Valente – professor / escultor
Mariana Couceiro – delegada de informação médica
Cristina Sousa – Professora do ensino especial
Patrick Murys – Ator profissional

Partilhe nas redes:

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Ordem dos Médicos