“O país necessita de Médicos empenhados e dedicados, os doentes precisam de uma medicina humanizada e de acesso justo para todos.”

“O país necessita de Médicos empenhados e dedicados, os doentes precisam de uma medicina humanizada e de acesso justo para todos.”

Excelência Reverendíssima, Bispo Dom Ximenes Belo; Exmo. Bastonário, Presidente do Conselho Nacional Executivo da Ordem dos Médicos, Prof. Doutor José Manuel Silva;
Em representação do Exmo. Presidente do Conselho
Regional do Norte da Ordem dos Médicos, Dra. Lurdes Gandra;
Em representação do Presidente do Conselho Regional do Sul da Ordem dos Médicos, Dr. Sérgio Silva;
Magnífico Reitor da Universidade de Coimbra, Prof. Doutor João Gabriel Silva;
Exmo. Diretor da Faculdade de Ciências da Saúde da Universidade da Beira Interior e em representação do Magnífico Reitor da Universidade da Beira Interior, Prof. Doutor Luís Taborda Barata;
Exmo. Diretor da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra, Prof. Doutor Joaquim Murta;
Exmos representantes dos Conselhos Distritais do Centro da Ordem dos Médicos;
Cumprimento também a Dra. Augusta Mota, em representação da ARSC;
O Dr. José Martins Nunes, Presidente do Conselho de Administração do CHUC;
O Dr. António Morais em representação do ACES Baixo Mondego;
A Dra. Fernanda Maçoas em representação da ULS da Guarda;
Outras entidades representadas;
Um especial cumprimento ao Dr. Maló Abreu e ao Dr. Fernando Carvalho pelo seu contributo para o êxito deste evento.
Caros colegas e amigos, Familiares e acompanhantes

Exmas Senhoras e Exmos Senhores,

 

"Já estou elevado, mas posso e devo elevar-me ainda mais alto (…) Ainda não atingi o feito da minha grandeza; e se alguma vez o atingir, quero manter-me firme e não vacilar." – citando Goethe.

Estamos juntos nesta cerimónia, em Coimbra, no Auditório da Reitoria da Universidade.
Estamos juntos para partilhar o fio da história, para juntar o presente deste dia caloroso ao passado e ligá-lo ao vosso futuro. Esta cerimónia simbólica não é só o evento de uma iniciação num mundo novo e complexo, construído de muitos desafios, é, também, a celebração de todos os Médicos que, ao longo da história e através do mundo, se dedicaram e se dedicam aos valores enraizados em que acreditamos e que, em conjunto, juraremos defender.

A cerimónia liga-vos aos milhões de Médicos que, desde o início da Humanidade, lutaram persistentemente contra a doença e contra os males do corpo e da mente. A vossa dedicação e entrega construirão pontes para que os Médicos de amanhã consigam feitos que a Arte ainda não nos disponibiliza hoje, mas que os avanços da medicina, da tecnologia e da Humanidade, suportados por vós, poderão alcançar no futuro.
A partir de agora, têm a responsabilidade, nas vossas mãos, de legar aos médicos de amanhã aquilo que receberão dos médicos de hoje. Fazem parte desta corrente inquebrável de transmissão da virtude humanista e do saber Médico de geração para geração.

As vossas vidas passarão a ter uma ligação íntima com a vossa profissão. A Medicina nunca mais se separará de vós. Será a vossa companheira incessante, correrá nas vossas veias, estará gravada no vosso pensamento, rivalizará com o vosso companheiro, tirar-vos-á tempo à família e aos amigos, afastar-vos-á do descanso, estará convosco nos bons e nos piores momentos, estará presente na vossa solidão ou no meio da multidão. Dar- vos-á felicidades eternas e dissabores amargos. Mas nunca vos abandonará.

O vosso único propósito será o de tratar o vosso doente, lutar por ele, dignificando a ética e a deontologia que os vossos mestres vos ensinaram.

A busca incessante tomou, agora, um sentido mais claro. O vosso doente, que tudo depositou em vós, espera-vos para receber a vossa entrega, o vosso sacrifício e o vosso afeto. O bem-estar dos outros depende agora de vós. E s s a  é   a   v o s s a   r e s p o n s a b i l i d a d e  p a r a   c o m  a  Humanidade, essa é a vossa fé, esse é o vosso papel na vida dos homens. Nunca o apaguem do vosso pensamento.
São estes valores, é este sentimento que nos devem unir hoje, todos nesta sala, e fora dela, entre aqueles que muito têm para receber e os Médicos mais experientes, que muito têm ainda para dar.
As dificuldades não terminam neste momento. As dificuldades tomarão outras formas, mas perante elas, exige-se de todos vós, não as soluções do passado, mas sim o mesmo empenho e a força em encontrar soluções novas.

Provavelmente, ouvirão que o melhor doente é aquele que não sai da sua casa, que a prática adequada da Medicina está na quantidade de consultas, de atos cirúrgicos ou de qualquer outro procedimento. Provavelmente, ouvirão que o melhor tratamento será aquele que menos pesa na fatura do vosso hospital ou do vosso centro de saúde. Alguns dir-vos-ão que a humanização é um mito e que a relação com o vosso doente deixou de importar.

Ouvirão, também, que a degradação do sistema de saúde é culpa vossa, por excesso de dedicação ao vosso ofício, porque mais do que Médicos deveriam ser gestores desprovidos de alma e coração. Provavelmente, sentirão a indiferença e a insensibilidade de decisores alienados das realidades. Já estão habituados às dificuldades, estão treinados a ultrapassar as adversidades.

Hoje, muitos médicos desiludidos, desmotivados, desistem de praticar a Medicina em Portugal. Na Região Centro, este ano, 278 Médicos já solicitaram à Ordem dos Médicos, certificados para poderem exercer no estrangeiro, 65% deles têm menos de 40 anos. Com toda a certeza, muitos não voltarão. Em dezembro, se todos os candidatos concorrerem às vagas de especialidades médicas disponíveis, mais de 70 não terão a possibilidade de continuar a sua formação especializada essencial para responderem às necessidades em Saúde.

Tudo isto irá concorrer para o vosso desconforto e desmotivação.
Tudo isto irá concorrer para que apaguem o juramento que têm agora nas vossas mãos.

O Juramento de hoje, o Juramento de Hipócrates, é o juramento do humanismo, da entrega ao serviço do bem, da resistência ao adverso, dos valores que a luz da Humanidade depositou na prática da Medicina. E por este Juramento estão obrigados a lutar contra a doença e contra o sofrimento dos outros, mas também, pela vossa consciência cívica, contra o esquecimento, contra a ignorância e contra a frieza daqueles que só veem na saúde um instrumento de aproveitamento político e mercantilista, próprio de outros palcos.

 

 

No meio de nós, juntam-se, numa simbiose perfeita duas personalidades ilustres e cravadas na história da Humanidade.
Egas Moniz nasceu há precisamente 140 anos, formou-se em Coimbra e foi homenageado como um homem da ciência, recebendo o Prémio Nobel da Fisiologia e da Medicina em 1949. Dom Ximenes Belo, aqui presente, foi galardoado com o Prémio Nobel da Paz em 1996.
Dois percursos de vida profundamente diferentes, mas que se intersetam no significado do Ser Médico. Estas duas personalidades partilham connosco as nossas mais profundas convicções.
Esta é a essência da nossa profissão: a ciência e o conhecimento aliados à dedicação humanista e altruísta. Ser Médico é ser exigente com o seu saber e é ter a compaixão e a humildade de estar ao serviço daqueles que de nós precisam, para sempre, e em qualquer circunstância.

 

Ao serviço da Medicina, da Saúde e dos Doentes espero de todos nós o melhor da nossa exigência, da nossa sabedoria e da nossa devoção.

Os médicos são, hoje, a última barreira ao ataque deferido aos cuidados de saúde.
O país necessita de Médicos empenhados e dedicados, os doentes precisam de uma medicina humanizada e de acesso justo para todos.

É este o vosso verdadeiro papel. Honrem-no desde hoje até ao final da vossa vida.

Nunca percam a memória desta cerimónia.
Quando estiverem perante a dúvida e a hesitação, recordem este momento fraterno, evoquem o vosso Juramento, rememorem as palavras proferidas. Encontrarão nesse pensamento todas as respostas à vossa incerteza.

Partilhe nas redes:

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Ordem dos Médicos