Sessão de abertura IX Jornadas Internato Medicina Geral e Familiar do Centro: “O Internato do Futuro” é o tema central

Sessão de abertura IX Jornadas Internato Medicina Geral e Familiar do Centro: “O Internato do Futuro” é o tema central

Refletir sobre o Internato no futuro é o principal propósito das IX Jornadas do Internato de Medicina Geral e Familiar (MGF) do Centro que decorrem, nos dias 23 a 24 de maio de 2017, na Escola Superior de Enfermagem de Coimbra.

Na sessão de abertura, o presidente da Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos, Carlos Cortes, aplaudiu a organização deste evento que conta com o Alto Patrocínio da Ordem dos Médicos, mercê da sua qualidade científica deste evento. "OA Medicina Geral e Familiar está neste caminho da exigência. Tenho de elogiar o papel insubstituível dos orientadores de formação, que é essencial na formação de todos os médicos e fazem um esforço tremendo para se desdobrarem para dar uma boa formação aos seus internos. O papel milenar que cumprem na cadeia de transmissão de conhecimentos é absolutamente essencial na Medicina. Ser médico é transmitir os nossos conhecimentos aos mais novos". Por outro lado, lançou o desafio para que os médicos internos façam chegar à Ordem dos Médicos os seus problemas. "Temos tido relatos de internos de MGF que têm de assegurar urgências durante a noite nos serviços hospitalares quando os especialistas estão a dormir. Alertem a Ordem dos Médicos para que se possa questionar e resolver este problema. Chamo-vos a atenção para a gravidade desta situação, denunciem à Ordem dos Médicos", alertou.

Para o médico patologista clínico, "hoje, o Internato está melhor" e exortou todos os jovens a trilhar "o caminho da exigência". "Vocês têm o direito de receber formação de todos os vossos colegas especialistas", sublinhou o presidente da SRCOM. Carlos Cortes lembrou ainda os seus alertas que foram amplamente divulgados a 19 de maio, Dia Mundial do Médico de Família, na sequência das visitas que efetuou às unidades de cuidados de saúde primários em Águeda e S. Martinho do Bispo. Tudo por causa da desmaterialização dos atestados médicos (para a emissão de cartas de condução, por exemplo), que estão a causar problemas aos médicos de família. O presidente da SRCOM não deixou de aludir aos principais problemas que tem encontrado nos centros de saúde. "Temos de saber exigir qualidade [à tutela], para poder dar a este País os especialistas que necessitamos. Nunca abdicando da qualidade"
Momentos antes, e na mesma cerimónia de abertura conduzida pela médica interna Marta Fraga, o presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar lembrou que um dos temas em reflexão nestas jornadas é "a constituição de comunidades formativas, em vez de ter internos 'colados' a um orientador". Rui Nogueira, que é também Coordenador do Internato da Região Centro, abordou algumas das dificuldades a enfrentar. Citamos algumas, a título de exemplo: as avaliações formativas ao longo do Internato; o número excessivo de internos que causa problemas nos estágios hospitalares; o exame final.
A Comissão Organizadora incluiu uma novidade na edição deste ano: a sessão de encerramento, assim como a entrega de prémios, será realizada no jantar de gala no segundo e último dia das jornadas.

 

Partilhe nas redes:

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Ordem dos Médicos