Pintura ‘em fusão’ de Teresa Vilar concebida para a Ordem dos Médicos

Pintura ‘em fusão’ de Teresa Vilar concebida para a Ordem dos Médicos

A exposição de pintura "em fusão" de Teresa Vilar foi inaugurada, no Clube Médico de Coimbra, e ficará patente até 19 de março de 2016. Ao todo, 18 trabalhos em acrílico sobre tela que, neste caso, remetem para a ‘presença da água' bem como de temperaturas e aromas tendo em conta a paleta de cores plasmada nos quadros.
Na inauguração, o presidente da Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos, Carlos Cortes, destacou o facto desta mostra de pintura "estabelecer pontes de ligação com a medicina, porque a água é vida. Sabemos a importância da água na nossa saúde. Obviamente, as cores que nos transmitem estes quadros são reconfortantes e de alegria". Centrando a sua mensagem no espaço onde se materializa esta mostra, Carlos Cortes sublinhou: "Esta casa é importante, porque é nela que fazemos a ligação à sociedade civil através de exposições de pintura, palestras, divulgação da arte de médicos e não médicos. A Ordem não é uma organização fechada à sociedade. A Ordem serve para regular a profissão médica mas é, sobretudo, para zelar pelos nosso doentes. Portanto, é uma casa de todos". Concluiu: "Quero expressar a nossa honra em ter uma exposição de Teresa Vilar e a grande dsatisfação que tenho pelo facto das pessoas se interessarem por este espaço".
De seguida, Dulce Menezes, presidente da Magenta, fez o ‘retrato' da artista plástica que nasceu em Prado (Vila Verde/Braga) e que atualmente divide a vida entre Braga e a Praia da Barra (Aveiro). "A Teresa faz questão de conceber cada exposição como um ato único, direcionado para o lugar específico e o público que é expectável, portanto, na organização de uma coleção toda direcionada ao título único que lhe atribui". Sobre o tipo de pintura de Teresa Vilar, disse Dulce Menezes: "É uma pintura que aparenta ser abstrata, mas possui referências muito concretas à realidade. Daí que os seus quadros funcionem como ‘janelas' para uma paisagem povoada ora de elementos concretos em abstração (por exemplo, a terra, a água, o céu, o sol, silhuetas de animais/pessoas, plantas), ora de elementos abstratos a tentarem materializar-se (emoções trazidas pela intensidade da pintura, pela conjugação cromática, pela proximidade ou afastamento de um determinado ponto de vista). É uma pintura passível de interpretações diversas, pessoais e aí reside a sua universalidade que lhe traz sentido."
Teresa Vilar frequentou a Escola Superior Artística Soares dos Reis no Porto e licenciou-se (1989) em Design/Artes Gráficas na Faculdade de Belas-Artes da Universidade do Porto.

Partilhe nas redes:

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Ordem dos Médicos