15 de setembro 2020

Informação

Coimbra | Rega da "Oliveira SNS" | Este é o momento de celebrar em união e manter a esperança

 

Desde há 11 anos que, mais ou menos à mesma hora, no dia 15 de setembro, o Parque Verde do Mondego recebe a emotiva cerimónia de Rega da 'Oliveira SNS', iniciativa da LAHUC - Liga dos Amigos dos Hospitais da Universidade de Coimbra à qual a Ordem dos Médicos se associou desde 2014, como recordou Isabel de Carvalho Garcia, presidente da LAHUC. 

A iniciativa pretende, simbolicamente, enaltecer o Serviço Nacional de Saúde (SNS), no seu 41.º aniversário, e promover a esperança na sua revitalização, "o sonho de António Arnaut", uma esperança aqui representada pelo ato da rega.

Essa esperança foi, precisamente, o realce escolhido por Inês Mesquita, em representação do presidente da Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos, que enalteceu a união dos profissionais no contexto da pandemia. "Esta árvore resiliente, resistente, bonita e imponente, que representa muita luz e muita esperança, permite mostrar a todos que, independentemente dos nossos pontos de vista ou das visões mais ou menos políticas, estamos todos juntos e aqui é o momento de celebrar em união". "É uma honra muito grande poder fazer parte" desta cerimónia, "um grande bem haja por podermos manter a esperança", concluiu Inês Mesquita (vogal do Conselho Regional do Centro da Ordem dos Médicos), lembrando que, se as fragilidades do nosso SNS foram demonstradas nestes últimos meses, melhor foi demonstrado o valor do SNS e dos seus profissionais, que souberam se unir nesta luta em prol da Saúde dos portugueses.

O médico Armando Gonsalves, que presidiu à extinta Liga dos Amigos do Hospital dos Covões, deixou um apelo a que "o Hospital dos Covões", hospital que deu provas de qualidade, "se reponha a trabalhar completamente", frisando que essa afirmação é feita "pensando num hospital com todas as valências e tendo, pelo menos, uma maternidade". "Se isto não acontecer, a saúde da zona centro vai ter que depender dos privados, com grande prejuízo daquele que é o maior serviço sob o ponto de vista social, de igualdade entre pobres, remediados e ricos", sublinhou apelando que "façamos todos um esforço por este hospital" e que comecemos a "reequipar as suas especialidades".
Para Isabel de Carvalho Garcia, presidente da LAHUC - que começou por agradecer o apoio do município de Coimbra na organização desta cerimónia, bem como à Ordem dos Médicos e à família do Dr. António Arnaut - a oliveira, árvore sagrada na Grécia Antiga, símbolo da Paz e Sabedoria, Abundância e Glória, entre outras, só poderia ser, pois, a árvore que simboliza o SNS. Destacou ainda os 30 anos da LAHUC "ao serviço dos doentes e das suas famílias", criada em prol de uma "maior humanização dos hospitais". Pelo sonho do Dr. António Arnaut "de construir uma sociedade mais justa, livre e solidária, aqui estamos", reforçou a presidente da LAHUC.

 

Este momento solene contou com a participação da Ministra da Saúde, Marta Temido, que começou por lembrar António Arnaut como "um homem do País", referindo o orgulho no percurso do nosso serviço público de saúde. "Foi a sociedade democrática que permitiu um serviço que visava a prestação de cuidados globais de saúde a toda a população. Crianças, mulheres, homens, que nunca tinham ido ao médico passaram a poder fazê-lo, não por caridade ou por pedirem um favor, mas saberem que Democracia lhes trouxe o direito universal a terem acesso a cuidados preventivos, curativos e de reabilitação, por saberem que a cidadania portuguesa, a partir desse momento, passou a significar pertencer a uma comunidade onde a saúde é um bem que não exclui pela condição económica e social", lembrou Marta Temido, frisando que na nossa sociedade seria "indigno perguntar a alguém quanto dinheiro traz na carteira antes de lhe prestar auxílio". "Um salto na dignidade e no Humanismo como olhamos os outros", uma "conquista civilizacional em que todos participamos", referiu lembrando que as mudanças que surgem com a criação do SNS são um direito conquistado que nos tornou a todos "melhores". A governante referiu ainda os "ganhos notáveis" como a redução da mortalidade infantil, a redução da mortalidade materna, o alargamento da cobertura vacinal e o aumento da esperança média de vida, entre tantos outros avanços e escolhas que combatem as desigualdades em saúde. "Hoje os portugueses continuam a precisar do SNS", referiu lembrando a pandemia como um cenário complexo que, com o regresso às aulas e a gripe sazonal, vai aumentar a "necessidade de garantir outras respostas em saúde em competição com a COVID", deixando um apelo para que todos sejam agentes de saúde pública, porque "somos todos responsáveis" e a "melhor resposta depende de cada um de nós". "Só juntos podemos enfrentar o que aí vem. (...) O SNS tem fragilidades, mas nós vamos ultrapassá-las".


Participaram ainda nesta cerimónia Rosa Reis Marques, presidente da Administração Regional de Saúde do Centro, Carlos Cidade, vice-presidente da Câmara Municipal de Coimbra, em representação do presidente e diversos familiares de António Arnaut que acarinham anualmente esta cerimónia que não deixa ninguém indiferente.
António Arnaut plantou a primeira Oliveira SNS em 2009. Acérrimo defensor deste serviço público de saúde, a última rega em que participou foi em 2017, durante a qual pediu aos presentes que prometessem que tudo fariam para perpetuar aquele símbolo do Serviço Nacional de Saúde. desde então, a Rega da OIiveira SNS ganhou também o simbolismo de homenagem ao pai do SNS.

O ano passado foi iniciado o movimento da "Oliveira SNS" a nível nacional. Árvores já plantadas:

- Coimbra, 15 de Setembro de 2009, Parque Verde da Cidade, junto ao pavilhão de Portugal
- Fafe, 5 de Abril de 2019, no parque da Cidade de Fafe
- Viseu, 16 de Maio, centro Hospitalar de Tondela Viseu
- Penela, 21 de Maio de 2019, Parque das Águas Romanas, em frente ao Centro de Saúde
- Tocha, 21 de Maio de 2019, Hospital Rovisco Pais
- Pampilhosa de Serra, 21 de Maio de 2019, Centro de Saúde
- Miranda do Corvo, dia 1 de junho, dia do município, no Jardim da Casa das Artes
- Ansião, Praça do Município, 10 de Agosto
- Lousã, 13 de Setembro
- Celorico da Beira, 15 de Setembro
- Loulé, 15 de Setembro
- Vila Nova de Poiares, 16 de Setembro
- Arganil, 22 de Setembro
- Portimão, 23 de Setembro

Um momento de homenagem à memória de todos os intervenientes na defesa do SNS, e em especial aos seus criadores