06 de fevereiro 2020

Informação

Carlos Cortes lamenta descoragem e inação na salvaguarda do SNS

 

A tomada de posse dos órgãos dirigentes da Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos decorreu ao final da tarde do dia 6 de fevereiro, no auditório da Casa Municipal da Cultura, em Coimbra. Perante os colegas, autoridades municipais e nacionais, assim como dirigentes da Ordem dos Médicos das restantes órgãos, Carlos Cortes protagonizou um apelo concreto: "Não desvalorizem a força de uma classe unida e unificada".

No discurso de tomada de posse o presidente da Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos - reeleito com a maior votação de sempre - Carlos Cortes disse mesmo que viu no resultado "o reconhecimento pelo trabalho feito" não deixando que acrescentar que tal assume uma "responsabilidade acrescida" para fazer face "às profundas dificuldades já conhecidas e que se irão acentuar" na saúde. Sem descurar o reconhecimento das potencialidades e mais-valias do Serviço Nacional de Saúde (SNS), o presidente que assume agora este mandato para o triénio 2020-2022, lembrou a "perigosa degradação" que está em curso, situação que todos conhecem, desde os profissionais de saúde, os doentes e os dirigentes políticos. Perante uma sala lotada, Carlos Cortes quis deixar claro que as suas críticas são levadas a cabo para, precisamente, defender o SNS, "um sistema público de saúde autónomo baseado em princípios de igualdade".

O bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, que tomou posse na noite anterior (5 de fevereiro) deixou três apelos à atual titular da pasta da Saúde: apostar nos jovens, olhar para as regiões mais carenciadas do território, diminuir os tempos máximos de resposta garantidos.

Nesta cerimónia tomaram posse os novos órgãos sociais: Mesa da Assembleia Regional, Conselho Regional, Conselho Fiscal e Conselho Disciplinar e, ainda, os coordenadores dos 10 gabinetes do Conselho Regional. E, também, os órgãos sociais da Sub-Região de Coimbra da Ordem dos Médicos.