15 de novembro 2019

Informação

Jornadas da Foz - 1ª edição | Carlos Cortes enaltece papel dos médicos de família e do SNS

No arranque da primeira edição das Jornadas da Foz, evento organizado por um conjunto de médicos internos de Medicina Geral e Familiar (MGF) das unidades de saúde familiar (USF) São Julião, Buarcos, Nautilus e Araceti, o presidente da Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos enalteceu o papel crucial do médico de família e desafiou os jovens a ter um papel de exigência face à Ordem dos Médicos, e às demais organizações ligadas à formação pós-graduada. "Este [evento] é um exemplo da importância da formação médica e que é, precisamente, organizado por internos. Infelizmente o sistema de saúde não está organizado para dar resposta eficiente aos doentes, uma vez que muitas vezes as pessoas procuram as urgências hospitalares porque não conseguem receber apoio dos cuidados de saúde primários nem recorrer ao médico de família.

Na sessão de abertura das Jornadas da Foz, que decorreram no auditório Afonso Ernesto de Barros (Misericórdia), Carlos Cortes fez uma breve resenha do Serviço Nacional de Saúde e a sua génese - Relatório das Carreiras Médicas - para destacar o papel dos médicos na construção deste pilar fundamental da nossa Democracia. Olhando para a plateia de jovens internos, o presidente da SRCOM enalteceu, mais uma vez, o papel dos médicos de família cuja função apelidou de "gestor do doente".

Almerinda Rodrigues (em representação da direção do Agrupamento de Centros de Saúde Baixo Mondego), Manuela Neto (presidente das jornadas e responsável pelo internato médico) e Carlos Monteiro (presidente da Câmara Municipal da Figueira da Foz) também foram intervenientes nesta sessão. O autarca deu conta de que a Figueira da Foz vai, a partir de 1 de janeiro de 2020, receber competências da administração central designadamente na área da Saúde. "Não queremos municipalizar a Saúde, aquilo que queremos é que o SNS funcione bem", assumiu o edil figueirense.